Gaia

Pela senda da Natureza são muitas as sensações que me envolvem a cada momento, reflexões que pairam levemente em mim, num doce vaivém energizante. Uma corrente telúrica que flui pelo meu corpo e na qual tomo um reconhecimento da mais remota antiguidade. Lá, onde a Terra era considerada como a expressão máxima do princípio Feminino – a Deusa criadora e sustentadora…

Nascemos para ser nómadas

Fomos concebidos para isso e agraciados com o dom da Adaptação num Planeta de vários ambientes e com a capacidade de albergar e cuidar de todos os seres vivos em condições favoráveis e com dignidade. Contudo, escolhemos ficar sempre no mesmo sítio. Em milhares de anos que habitamos este Planeta, a nossa evolução deu-se num caminho…

Eternamente no limiar da metamorfose

Vivo eternamente no limiar da metamorfose O esquecimento. O pensamento. nunca um, sempre vários. sempre muitos O peso de uma luta constante, apaziguada. O lamento. O tormento. A sensação de leveza da conquista, violenta. Sempre quase, o limite. Para lá do limite. Dentro. Dentro da minha cabeça não há cinzento há uma massa de cores…

Renascer

Eu não sou eu. Já não sou eu. Era outra, mas já não. Que no caminho adiante, uma cabe, apenas. No limiar do renascer, a transformação.   Tanto andou de morte em morte, nada mais lhe resta senão viver.   Despeço-me dela… que era da minha carne.   Eu chego completa e ela parte. Aurora…

o sexo de Osho

Ora bem… O facto é que esta citação de Osho captou a minha atenção. Uma sintonia, claramente. Mas vai daí, aqui a rebelde fez uma PEQUENA alteração: Onde se lia “o homem iluminado” (the awakened man –  inglês) eu coloquei “a pessoa iluminada“. Aqui vai: “As pessoas têm muito medo daqueles que se conhecem a si mesmos. Estes…

Permite-me que me apresente

Permite-me que me apresente. Sou a tua sombra. Tenho andado sempre contigo este tempo todo, apenas tu decidias ignorar-me. Vejo que agora captei a tua atenção. Por isso, agora, apresento-me. Sou parte de ti, tenho as tuas formas, os teus gestos, os teus desejos mais profundos. Aqueles que nunca quiseste escutar. Houve vezes que me consegui…

Desconstrução

A dada altura, o apelo da nossa desconstrução é tão forte que passa a ser mais vital que a própria construção. Porém, a construção nunca deixa de ser feita. Ela nunca pára de ser feita. Apenas é feita noutro nível… fora das arestas do racional. Aurora Buzilis

2 estranhos no meio do outro lado

Caminham ambos na direcção um do outro. Perfeitos desconhecidos guiados pela mesma vontade inexplicável de ir ao outro lado da ponte. Numa solidão introspectiva e desejada, caminham de cabeça baixa, imbuídos nos seus pensamentos de insatisfação e rebeldia. Algo drástico deveria acontecer nas suas vidas – sem saber, ambos pensavam o mesmo. Sem se conhecerem….

De patas e mãos dadas: a Sintonia

Sigo no Facebook a página de Elizabeth Gilbert, a autora do livro Comer, Rezar, Amar, que deu forma ao filme com o mesmo nome. Não estando com muita atenção à dita página em particular, hoje deu-me para a espreitar. O facto é que tem sempre coisinhas interessantes e de algum modo aprecio a diversidade de…

Mudam-se capítulos, descobrem-se cumplicidades.

Imaginando a VIDA como um livro… as mudanças de capítulos significariam quebras, transposição de limiares. Algo drásticas por vezes, intensas e o mais provável é passarmos por essas mudanças em modo dormente, em estado de quase piloto automático. Cuidado!… As aparências iludem. A dormência poderá ser, não menos do que a capacidade divina e inata que…