Segue essa noite

A noite não cai sobre mim sou eu que vou ter com ela. O frio que trás, sou eu que o procuro. Encanto que faz, murmúrio obscuro. Inebriante. A noite é bela. Em movimentos lentos e ondulantes atravesso-a, descubro-a, toca-me. Não desiste de mim, mas sou eu que vou atrás dela. E ali fico. Ali…

quando a alma fala

No espaço de uma semana, duas fotografias que ilustram quase perfeitamente 2 dos meus “sonhos” mais intensos, cruzaram-se comigo, tocando-me. Uma delas talvez a receba como presente de aniversário, foi tirada por um amigo, e tem a ver com linhas de comboio, a outra é a de uma mulher a correr numa floresta e descobria-a…

Sou longe

Sou longe. Mas isso não faz com que eu não sinta a proximidade. Não sei porquê, mas é assim. Ser perto nem sempre significa que se sente. Estar próximo nem sempre significa Ser. Às vezes perco a noção do que é Ser com os outros, mas sinto-os na mesma. Posso dizer que os sinto muito…

As palavras são como nós…

Serão as Palavras muito mais abrangentes do que aquilo que imaginamos? Seremos verdadeiramente conhecedores e entendedores daquilo que elas transmitem? Serão elas limitadas, ou seremos nós os limitados, nós que as criamos? Nós que as dizemos. E o que significam elas para cada um de nós? Falamos todos a mesma língua?…. Hoje, na prática de…

Esparrela sacana

Na vida percorremos o nosso caminho, avançamos muitas vezes a medo, outras vezes mais convictos. Encontramos obstáculos, às vezes desviamo-nos, lutamos traumas e apegos, crescemos (há quem não aprecie muito esta parte). O esforço que cada um faz, cabe-lhe a si e a mais ninguém. Bem como as decisões que são feitas e as atitudes…

Vício

Oiço o som deles, seco, bruto e mortal a caírem no chão, noite após noite, ao abrigo dessa inquietação. Não sou eu que os atiro É a outra… Nem tão pouco tiro prazer disso, mas a outra… Observo, escuto e tento passar impune. Sem qualquer pudor ela, por outro lado, deseja-os, sente-os, absorve-os para depois…

A tribo dos sós

Desenham aleatoriamente a vida que os carrega pela ponta de um véu que é tão fino como os contornos dos seus corpos despidos e pálidos. Querem as diferenças e lutam por elas. Não são compreendidos e também não se importam. Seguem pelos seus desvios e caminham por trilhos no qual não distinguem início nem fim….